Muro que matou três estudantes da UMinho não tinha alicerces

Casos do Dia

Um perito em engenharia que testemunhou no julgamento relacionado com a morte de três estudantes da Universidade do Minho (UMinho), em 2014, após queda de um muro, afirmou ontem, no Tribunal de Braga, que o mesmo não tinha alicerces, mas sublinhou que “muito provavelmente” não teria derrocado “sem acção externa”. “Não parece razoável que tenha caído por ele próprio. O solo estava intacto, pelo que há uma possibilidade enorme de a derrocada ter resultado de uma acção externa”, referiu António Oliveira, professor da Universidade do Minho, que afirmou que a estrutura estava apenas “pousada” no solo.

1043 itens ver mais
130 itens ver mais
77 itens ver mais

Tempo

Vídeo em Destaque

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia