Coração feliz

Correio

autor

Leitor

contactarnum. de artigos 64

João Pedro Marques e Castro

Percorrer o Concelho de Fafe é certamente, abraçar caminhos de descoberta em que se entrelaçam, a ruralidade e o modo mais citadino de vida. Qualquer grupo territorial que seja bafejado pela sorte de ter a Natureza a seu favor tem logo aí um acréscimo muito grande.
O nosso Concelho tem Serras de magnífica relevância. Temos uma área geográfica grande, marcada por uma Natureza agreste mas amiga, que possui sérias e grandes potencialidades.

O aproveitamento da energia eólica, necessariamente uma forma de energia de presente e futuro, abre a porta e dá um bom exemplo daquilo que com o passar do tempo tem de ser a necessária adaptação de energias não renováveis para energias renováveis. Estas últimas, único garante de futuro. E nestes maciços existem ótimos exemplos de preservação da Natureza como aposta de desenvolvimento. A freguesia de Aboim tem sido nos últimos tempos, palco de várias manifestações culturais e artísticas, que mantendo a sua identidade têm feito desta, claramente, uma freguesia virada para o progresso.

Mas também de tradições religiosas vive o nosso Concelho. O lugar da Lagoa onde ano após ano, muitas e muitas pessoas vão ao seu encontro, para colocar na cabeça a sua Santa e tirar o Diabo do Corpo. E como falo de religião, importante referir as nossas festas da Senhora de Antime, ponto alto das festividades do Concelho, que atrai milhares e milhares de pessoas e é um marco inolvidável das terras de Fafe.

Freguesias como estas são exemplos muito presentes de vivacidade, de proatividade, de cooperação e solidariedade entre todos. Ma apresentam-se como os figurinos de todas as outras. O reconhecido pão-de-ló de Fornelos, o vinho de Várzea Cova. E de jogos tradicionais de forte marca expansiva vive também o nosso espaço, com o jogo do pau a assumir-se como um jogo de Fafe, com Fafe e para Fafe.

E já que falamos de Fafe, que tal referir o símbolo da nossa justiça, intemporal, pois somos gente de carácter, de verdade, de senso comum solidário e de muito trabalho. Ali perto do Tribunal, o símbolo da Justiça de Fafe, quando um homem do Povo disse a um burguês que de maneira boa ou má, todos somos iguais em direitos, e que uma sociedade mais igualitária é caminho indispensável para a coesão social.

E calcorreando as nossas ruas, que bom é sentar num dos bancos ali da Arcada! Movimento contínuo e ordenado, com muita luz, com muita gente, com muita alegria e com muita satisfação. O Concelho de Fafe é prontamente, o maior batimento do nosso coração!

vote este artigo

 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos desta categoria - Correio

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia