Herberto Helder: Rumo ao infinito

Ideias

autor

José Jorge Letria

contactarnum. de artigos 44

Amorte de Herberto Helder, aos 84 anos, na casa de Cascais onde viveu décadas representa uma perda de dimensão incalculável para a cultura portuguesa, cuja poesia tanto enriqueceu com um génio criador que ninguém conseguia enquadrar em escolas, tendências ou grupos.
Herberto construiu à sua volta uma solidão protectora de que nunca abdicou e que fez dele um escritor cuja biografia se confundiu e esgotou na própria obra, já que a sua biografia foi construída com páginas de que nunca quis falar e sobre as quais só muito fugazmente aceitou escrever.

Nascido no Funchal em 1930, partiu para Coimbra ao concluir o ensino secundário para estudar Direito e depois ainda se inscreveu na Faculdade de Letras de Lisboa, em Filologia Romântica, curso que também não terminou e que precedeu etapas importantes de um percurso que o levou a ser tudo o que quis ser, desde bibliotecário da Gulbenkian a director editorial, desde jornalista e locutor radiofónico até trabalhador manual, emigrante e tudo o mais que teve de fazer para enfrentar os constrangimentos de quem casou, teve filhos e tinha de lutar pela subsistência num tempo adverso que nunca deu facilidades a quem queria viver apenas da literatura.

Herberto publicou o seu primeiro livro em 1958, tornou-se um autor de referência com “Os Passos em Volta” e “Apresentação do Rosto” e nunca mais deixou de escrever e publicar até à edição em 2014 de “A Morte sem Mestre”. Poucos poetas em Portugal e no mundo conseguiram construir uma obra e um modelo de relação com essa obra tão protegido, tão isolado e tão distante das pequenas coisas do mundo literário. Isolou-se, calou-se, embora dissesse admirávelmente os seus poemas e nunca aceitou confundir-se com a vida social, cultural e política que o cercava.

Não dava entrevistas, não se deixava fotografar, não emitia depoimentos sobre qualquer assunto e por uma rigorosa questão de princípio não aceitava os prémios que lhe atribuíam, caso do Prémio Pessoa, em 1994, que tanto o teria ajudado a estabilizar a vida de quem decidiu viver e morrer pobre, isto é, sem os recursos financeiros que a literatura eventualmente proporciona a outros escritores. Viveu e morreu sem prémios, coerente com os seus princípios e com o modo de vida que construiu.

Recordo-me de em 1970 ter ido à redacção da revista “Notícia de Luanda” em Lisboa, chefiada pela grande jornalista Edite Soeiro, e de ter visto numa secretária ao fundo um homem com cerca de 40 anos, de barba bem desenhada, do qual me aproximei timidamente, que cumprimentei e que comigo manteve um diálogo breve, amável e sem palavras em excesso. Tinha ido à “Notícia de Luanda” para tentar conseguir uma colaboração regular e saí dali comovido por ter conseguido conhecer pessoalmente o poeta português vivo que mais admirava. Depois encontrámo-nos muitas vezes em ruas de Lisboa, num ou noutro café e sobretudo no comboio para Cascais, terra onde nasci e onde ainda morava.

Durante os anos em que fui vereador da Cultura em Cascais tomei a decisão de organizar um encontro literário anual “A Poesia em Visita”, que pedi ao Prof. Manuel Frias Martins para coordenar. Receámos desde o início que Herberto não aceitasse a iniciativa. Foi o que aconteceu. Depois da decisão ter sido aprovada por unanimidade pela câmara, Herberto escreveu-me uma longa e amável carta pedindo-me delicadamente para suspender essa iniciativa que muito transtorno lhe causaria. Falei com Frias Martins, autor de um livro sobre o poeta e decidimos cancelar o projecto, por respeito e admiração pelo Herberto Helder que tanto admirámos e admiramos.

Pouco tempo depois, deram-me a notícia de que Herberto não conseguia continuar a viver no 1º. andar onde sempre residiu, perto do mercado de Cascais, porque as máquinas de refrigeração no estabelecimento do rés-do-chão emitiam um ruído que não o deixavam escrever e dormir. Foram dados todos os passos necessários para controlar esse excesso de ruído, cuja existência não foi comprovada e para lhe proporcionar o sossego que tanto desejava e merecia.

A Câmara chegou a encarar a possibilidade de vir a adquirir um apartamento para o instalar em condições mais propicias, hipótese que também não se concretizou. De qualquer modo, acompanhei e acompanhámos com a maior atenção e cuidado uma situação que muito nos preocupava. O importante era Herberto e a grandeza da sua obra.

Embora a sua despedida se tivesse tornado inevitável e como ele próprio reconhece em alguns dos seus versos luminosos, nunca esperei ter que escrever esta crónica de homenagem a um dos poetas que mais me marcaram e me levaram a entrar no universo da poesia com a paixão comovida de quem entra para nunca mais partir. Herberto será sempre, para mim, o autor de “Oficio Cantante”, de “Cobra” ou de “A Morte sem Mestre”, voz luminosa e absoluta que me acompanhará até à hora da minha despedida.

E não posso esquecer que “Os Passos em Volta” era a minha leitura deslumbrada quando em Setembro de 1967 o meu pai morreu subitamente e eu tinha apenas 16 anos, idade de deslumbramento e descoberta que fez com que Herberto tenha entrado nas minhas preferências mais profundas, tornando-se um poeta maior que o seu tempo, imenso como a nossa grande poesia, companheiro distante e próximo de quem nunca me quis afastar, por saber que quando o fizesse isso seria já uma forma de morte. Tínhamos Cascais em comum. A minha terra natal e a sua terra de adopção. Numa geografia de afectos que também ajuda a construir a poesia que nos ilumina se eternizar.

vote este artigo

 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos desta categoria - Ideias

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia