Os benefícios de um Mercado Único Digital

Ideias

autor

Aires Soares

contactarnum. de artigos 19

AInternet e as tecnologias digitais estão a transformar o nosso mundo em todos os níveis da sociedade e em todos os ramos de atividade. Com cerca de 315 milhões de europeus a utilizarem a Internet todos os dias, a Europa está a adaptar-se a esta nova realidade - aderir à revolução digital, abrir oportunidades para as pessoas e as empresas através das tecnologias digitais e completar o mercado único europeu passaram a ser uma prioridade da Comissão Europeia.

Contudo, subsistem ainda obstáculos que não permitem à Europa libertar todo o seu potencial na área digital. Atualmente os obstáculos à atividade em linha têm como consequência o facto de os cidadãos não poderem aproveitar os bens e serviços existentes - apenas 15% fazem compras em linha a partir de outros países da União; as empresas presentes na Internet e em fase de arranque não podem tirar todo o partido das oportunidades de crescimento em linha (apenas 7% das PMEs vendem para além-fronteiras) e a administração pública não está a beneficiar plenamente das ferramentas digitais.

Nesse sentido, o objetivo de criação de um Mercado Único Digital, prioridade que a Comissão prevê vir a concretizar até ao final do próximo ano, consiste em derrubar as barreiras regulamentares e, finalmente, passar de 28 mercados nacionais para um único mercado.
Um Mercado Único Digital plenamente funcional pode vir a gerar 415 mil milhões de euros de crescimento adicional, centenas de milhares de novos postos de trabalho e uma sociedade do conhecimento dinâmica.

A estratégia assenta, assim, em 3 grandes pilares: melhorar o acesso dos consumidores e empresas a bens e serviços digitais em toda a Europa; criar condições adequadas e de concorrência equitativas para o desenvolvimento de redes digitais e de serviços inovadores e otimizar o potencial de crescimento da economia digital.

Tal como os restantes países da União, Portugal poderia vir a beneficiar grandemente com a criação de um Mercado Único Digital. Aliás, Portugal encontra-se bem classificado no que diz respeito ao uso de tecnologias digitais: tem redes de banda larga que asseguram uma boa cobertura, sendo que a banda larga está disponível para todas as residências e a internet rápida está disponível para 84% das residências; tem serviços públicos em linha avançados, ocupando o 7º lugar entre os países da UE devido ao bom desenvolvimento dos seus serviços públicos e à frequência razoável da sua utilização pelos cidadãos; e possui um desempenho acima da média na digitalização das empresas, ocupando o 2º lugar na utilização da identificação por radiofrequências, o 6º na partilha de informações eletrónicas entre empresas e o 7.º na utilização de faturas eletrónicas.

O maior desafio para o país é o de melhorar as competências digitais dos seus cidadãos, dado que quase metade da população não tem competências digitais básicas, e levá-los a aderiram às atividades em linha - 30% nunca utilizaram a internet - para que possam participar plenamente na economia e na sociedade digitais. Este é um desafio que, se ultrapassado, permitirá a Portugal integrar-se plenamente no Mercado Digital Único em construção na Europa.

vote este artigo

 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos desta categoria - Ideias

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia