Napoleão e a Europa 200 anos depois de Waterloo

Ideias

autor

José Jorge Letria

contactarnum. de artigos 44

Foi no dia 26 de Fevereiro de 1815 que Napoleão, imperador em fim de ciclo histórico, se evadiu da ilha de Elba , onde cumpria um tempo de exílio imposto pelas forças vencedoras , entrando em Paris, com um projecto beligerante, ceeca de um mês depois. Nessa altura Luís XVIII põe-se em fuga e Napoleão Bonaparte reassume a sua condição imperial, passando durante 100 dias pelo poder até à trágica batalha de Waterloo que lhe abrirá as portas para um novo e definitivo exílio em Santa Helena que coincidirá também com o seu declínio físico e morte.

É inquestionável que o regresso de Napoleão a Paris desencadeia uma dinâmica de esperança e combatividade nas forças armadas, o que leva o imperador a fazer as contas inevitáveis. Ele sabia que ingleses e prussianos depressa se organizariam para evitar que ele reassumisse o seu projecto invasivo que mergulharia a Europa numa nova e prolongada fase de convulsão, confronto e grande incerteza política e militar. É preciso agir depressa, congregar forças, encontrar os comandos certos, o acervo de armamento necessário e partir para o combate. O tempo foi adverso ao imperador. Parte dos seus marechais e generais ou estavam velhos e doentes ou haviam alinhado com Luís XVII. Massena envelhecera bastante e, perante este quadro, aceita Ney, em detrimento de Murat. É com este quadro de comando que irá partir para a batalha 18 de Junho de 1815, naquele que seria o derradeiro passo de uma alucinante carreira militar e política.

Em escassas 10 semanas, o imperador consegue reunir, devidamente mobilizado, um exército de 124 mil homens. Por seu turno, as forças opositoras mobilizam 106 mil homens sob o comando do duque e marechal Wellington, que se instalam a pouco mais de uma dezena de quilómetros de Bruxelas, capital de um país politicamente alinhado com as forças antagónicas a Napoleão. Às tropas de Wellington juntam-se 117 mil prussianos de Blucher e cerca de 210 mil homens de Schwarzenberg. Estes exércitos tinham percursos diferentes a realizar para se juntarem no campo de batalha, o que poderia ter dado uma importante oportunidade a um génio militar como Napoleão, inequívoco vencedor de grandes batalhas nas mais adversas condições geográficas, climatéricas e militares, designadamente na Rússia.

Poeta da acção, como muitos lhe chamaram, Napoleão, tenta evitar as forças aliadas, procurando condições para as vencer separadamente. O imperador tem o desejo inadiável de enfrentar as tropas de Wellington e de as vencer, até por saber que os outros exércitos aliados tudo farão para se juntarem e multiplicarem as suas forças. E isso deve ser evitado a todo o custo. Disso depende o triunfo napoleónico.

O marechal Wellington, com sabedoria e calma gere o tempo e escolhe o terreno do confronto final. Os franceses, comandados por Grouchy, não conseguem evitar a junção das tropas prussianas com as inglesas. O quadro torna-se muito desfavorável a Napoleão e ao seu forte e experiente efectivo militar. Wellington consegue dar tempo de descanso aos seus homens e aproveitar bem as desfavoráveis condições atmosféricas que sujeitam as tropas em geral as chuvas diluvianas dificultando consideravelmente a operação defensiva dos franceses.

Perto das 11.30 do dia 18, Napoleão, depois de um inevitável adiamento de duas horas para reduzir o grau de humidade que deixou o terreno lamacento e perigoso, manda atacar a direita aliada. Perto das 13.30, Napoleão ordena um ataque frontal aos ingleses que conseguem evitar o forte ataque da artilharia francesa. Napoleão usa a cavalaria sem contudo conseguir romper o núcleo central das forças inimigas. Apesar da alternância de movimentações de novos recursos e expedientes ofensivos, Napoleão verá fracassarem todas as tentativas e as suas tropas desagregar-se-ão numa debandada precipitada, tentando evitar um real e inevitável massacre. A batalha estava perdida e, com ela, o poder.

Depois Napoleão partirá exilado para a ilha de Santa Helena, onde acabará os seus dias, sem que se saiba ao certo se envenenado ou vítima de um cancro no estômago que muito o fez sofrer, no meio da solidão e do esquecimento.

Pensando hoje em Napoleão, na sua intensa e dramática passagem pelo poder, não podemos deixar de ter presentes os muitos livros e textos de análise histórica que a comemoração dos 200 anos de Waterloo suscitaram. Um dos mais interessantes é “Le Mal Napoleonién”, do ex-Primeiro-Ministro Lionel Jospin, que, sem querer mexer na matéria palpitante do mito, não revela grande simpatia política e pessoal por este homem de génio que viu o exercício do poder e o domínio da Europa como a condição básica da sua entrada na História e da conquista da posteridade, embora soubesse que lidava com forças, vontades e energias que lhe foram tantas vezes adversas.

Embora a comparação possa ser excessiva e abusiva, Napoleão quis, como Hitler, dominar a Europa com a esperança de dominar o mundo, embora fossem diversas as suas naturezas e visões do Homem e da vida. Ambos morreram de forma trágica depois de terem causado milhões de mortos e uma incerteza trágica que mudou o destino da Europa, desta Europa nervosa que hoje, entre a crise grega e o desespero da Ucrânia ouve inquieta as palavras do papa Francisco quando fala de uma guerra que, passo a passo, pode estar iminente. Dois séculos depois, a tragédia napoleónica continua a fazer-nos pensar no futuro incerto e sombrio deste continente que é o nosso e pode não acabar.

vote este artigo

 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos desta categoria - Ideias

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia