A urgência de Projetos Educativos nas nossas Escolas sobre o nosso Património e Tradições

Ideias

autor

José Maria Rego

contactarnum. de artigos 7

Os anos que passei fora de Portugal fizeram-me valorizar muito todos os aspectos da nossa identidade coletiva... língua, tradições, música, gastronomia, etc. As saudades de casa, fizerem-me ouvir fado de Lisboa e Coimbra... por exemplo, Amália, Maria da Fé, a Guitarra de Carlos Paredes, Rui Veloso... a milhares de Kms de distância, são experiências transcendentes, sublimes, arrebatadoras... muitas vezes a emoção fez surgir a lágrima.

Os países Lusófonos tem, nas suas expressões culturais, tantos e tantos traços do que nós somos, da nossa identidade. Para percebermos isto podemos ver, por exemplo, no meio do Rio Amazonas, na cidade de Santarém, uma fortaleza construída com pedra levada de Portugal, ou os instrumentos como a viola Caipira, ou o Cavaquinho, o Bombo Mineiro, os cantares ao desafio, etc etc.

Quando cá cheguei a Portugal, vinha ávido de voltar a,ver, ouvir, comer, cheirar, sentir o que sou... foi, de facto, um encontro comigo e com o que me identifica como pessoa. Hoje sei que... 'quem sai da terra natal em outros cantos não pára'. Nesta vontade de absorver tudo percebi que nós, Portugueses, não damos muito valor ao que temos. Revelamos com frequência uma baixa auto estima, apontamos mais os defeitos do que exaltamos as virtudes e temos muita dificuldade de trabalhar em grupo.

Um dia de Verão fui ver o Festival Internacional de Folclore. Na Av. Central, estavam milhares de pessoas, enquanto atuavam grupos folclóricos da Polónia, México, Espanha, Bulgária, etc. Eram grupos muito bonitos, com muita gente jovem, com trajes bem cuidados, com músicos de grande qualidade e vozes muito afinadas em cantares polifónicos... havia escola, eram Bailarinos... a Praça da Av. Central estava cheia e o espetáculo era deslumbrante, ninguém arredava pé.

Os apresentadores anunciaram os grupos portugueses e um a um começaram a entrar no palco... grupos constituídos sobretudo por gente idosa, os trajes não muito bem cuidados, os cantares sem sincronismo nas vozes. Na sequência disto as pessoas começaram a ir embora, houve uma debandada geral da Praça da Av. Central. Para mim foi muito deprimente esta experiência, mas como diz uma amigo meu... 'tudo é pedagógico'.

Que ideias eu tirei daqui? O que nos diz este testemunho? Como poderemos mudar isto? Como proteger as nossas tradições, a nossa Cultura, em síntese, a nossa Identidade?
Eu percebi, com muita clareza, que só havia um caminho... Investir na Escola.
Como sou professor entendi que tinha uma responsabilidade acrescida nesta matéria. A escola não pode ser só um espaço para se aprender Português e Matemática. A escola, por estarmos no Séc. XXI, tem muitas mais responsabilidades com a Pessoa, a Sociedade e a Natureza. Assim, as escolas tem que ser espaços promotores de Cultura, Homens novos e Sociedades Novas, pessoas criativas,comprometidas com a realidade e transcendentes.

Meti as mãos na massa e aprendi a construir instrumentos, peguei na minha experiência de vida em Comunidade e na minha formação pedagógica no Processo da Educação Libertadora, em coordenação e dinamização de grupos de Jovens do Movimento Shalom e comecei o Projecto Educativo Tambombo na Escola E B 2 e 3 de Palmeira.

A Câmara municipal de Braga, através do Serviço Educativo Integrado está a desenvolver junto das escolas várias iniciativas que a longo prazo vão transformar as escolas e a ideia que temos hoje da educação no Séc. XXI. Mas para além de transformar o serviço educativo vai ter um efeito na Cultura Tradicional, nas Tradições e na nossa identidade coletiva. Todos nós vamos ganhar com isto... no futuro, na Av. Central teremos grupos de jovens a apresentar os seus grupos tradicionais e o nosso Folclore.

A Sond'art foi criada, à 8 anos atrás, com estes objetivos e hoje trabalhamos todos os dias para tornar as nossas tradições e a cultura tradicional uma realidade séria, profissional, querida pelos jovens.
Neste momento trabalhamos em 25 instituições com mais de 500 jovens, de várias idades, em vários projetos e em vários instrumentos, em Escolas Publicas, Particulares e Associações.

vote este artigo

 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos desta categoria - Ideias

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia