O fado tradicional é a arte do fado

Ideias

autor

Félix Alonso Cabrerizo

contactarnum. de artigos 17

Dona Maria Teresa de Noronha, foi na verdade com a sua voz culta e modulada, autêntica voz de ouro, a grande dama do fado, cujas interpretações podem ser apontadas como exemplos da arte de bem cantar. Mantendo-se dentro dos limites do Fado Tradicional (Clássico e Castiço) e escolhendo letras adequadas as suas características vocal e temperamental, ela atingiu, de facto um nível interpretativo inigualável.

(Lisboa, o Fado e os Fadistas - Eduardo Sucena - Nova Veja - 2008)

Como podemos verificar todo aquele que cante fado, se realmente quer ser um verdadeiro fadista, tem que passar obrigatoriamente, pela disciplina do Fado Tradicional, pode ter muito jeito cantando, mas se não passa pelo conhecimento do fado estrófico, pelas quadras, quintilhas, sextilhas, decassílabos, alexandrinos, versículos e todos os seus diversos estilos, dificilmente chegara a ser um verdadeiro fadista.

O Fado Tradicional tem uns requisitos, um fundamento uma história e uma metodologia com parâmetros académicos. Quando o aluno vai descobrindo o porquê e como funciona, vai despertando nele um perfeito conhecimento de como utilizar e interpretar a forma e o estilo, criando nele uma capacidade intelectual que permite resolver todo o tipo de situações, para assim aplicar o esquema das quadras, quintilhas, etc nos diferentes estilos e formas do Fado Tradicional, até criar e adaptar seus próprios poemas, é maravilhosa.

Toda esta estrutura metodológica comparta-se com muito sucesso na Associação da ACOFA, na sua Escola de Fado; junto a outras disciplinas e técnicas da aprendizagem tão fundamentais, como uma perfeita dicção, vocalização, articulação, respiração, afinação, sentido rítmico, colocação de voz, domínio de palco, visual e imagem.
Na Escola o Mestre Félix Alonso Cabrerizo, indica e aconselha a escolha adequada de letras e poemas, que tem a condizer com o perfil do fadista aluno.

O dia 22 de Abril, ACOFA, uma vez mais tive a honra de representar, Braga, Minho e Norte de Portugal, com uma Noite Memorável de Fado, no Auditório do Museu do Fado, em Lisboa, brilhando de novo com interpretação do Fado Tradicional, com as jovens fadistas Liliana Macedo (vencedora do Bragafado 2015), Margarida Rocha e Margarida (Da Escola de Fado ACOFA), que tiveram uma brilhante atuação, com um auditório esgotado e gratificante com numerosos aplausos, merece destaque deste evento, a extraordinária execução de Fado da Defesa e Rosa Enjeitada por Liliana Macedo, com uma performance extraordinária, Margarida Rocha, com essa raça fadista, muito bem ilustrado com o Fado Bailarico e Fado Pedro Rodrigues (Sextilhas) que cantou pela primeira vez e Margarida uma fadista cada dia mais madura, com um Fado Dois Tons, com a maravilhosa letra de Manuel de Almeida e o Fado da Azenha, que Costa Branco (guitarra portuguesa) e Júlio Garcia (Viola do Fado) comentavam que fazia 20 anos que não tocavam este Fado da Azenha, o que é de louvar. Foram 18 fados cantados, com muita entrega e amor ao fado com acompanhamento dos guitarristas, ficando o fado bem representado.

O dia 29 de Abril o Fado Tradicional pontificou e maravilhou 40 pessoas que assistiram no Auditório da Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, a Aula Aberta de Fado, que a Escola de Fado da ACOFA, organizou e apresentou com seus jovens fadistas.
Sandrina Ribeiro com o Fado Alfacinha e Fado Alberto expressou seu sentido fadista, Kika Fernandes no Fado Isabel e Fado Pinoia (1ª Vez em Braga) seu encanto de viver o fado, Ana Neves (pela 1ª vez em palco) pelo Fado Carriche e o Fado Menor reviveu a mística fadista, Margarida com mais experiência de palco, com Fado Mayer (obra histórica) e Fado Dois Tons que evidenciou que é uma fadista com muito futuro.

Esta Aula Aberta de Fado foi muito produtiva e temática a nível de clarificar o Fado, teve pequenas surpresas como surgir duas jovens do público para mostrar a sua espontaneidade do conhecimento do fado. Margarida Rocha cantando o Fado Vitória e Ana Ferreira cantando o Fado Cravo.
No final as seis fadistas cantaram em Fado Mouraria ao desafio com o acompanhamento genial do Guitarrista Professor João Paulo Proença que esteve em grande plano durante toda a Aula e conduzido pelo Professor Maestro Félix Alonso Cabrerizo.
ACOFA vai pelo caminho certo, cada dia que passa, obtendo novos horizontes no Fado Tradicional e dando a conhecer muitos fados que estão esquecidos e fazendo cultura neste mundo do Fado.
O Espetáculo da ACOFA foi uma grande e maravilhosa Aula Aberta de Fado com o apoio da Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva.

vote este artigo

 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos desta categoria - Ideias

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia