Os “tijolos” do Papa Francisco

Ideias

autor

José Manuel Fernandes

contactarnum. de artigos 94

No mês passado, participei numa conferência sobre o futuro do projeto europeu intitulada “Repensar a Europa”, promovida no Vaticano pela Comissão dos Episcopados da Comunidade Europeia (COMECE). Muito agradeço o convite do Arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, em nome da Conferência Episcopal Portuguesa.
Tive a oportunidade de refletir e o privilégio de cumprimentar e ouvir o Papa Francisco. A sua palavra e o seu exemplo são importantes na construção de um Mundo melhor. A tolerância, o diálogo, a solidariedade e a partilha são valores cristãos essenciais para se conseguir a paz, o desenvolvimento e a inclusão.

Neste artigo, transcrevo excertos da intervenção do Papa Francisco no encerramento da referida conferência a propósito de ameaças e desafios atuais.
Tenho a convicção de que a eleição de Trump, o Brexit, a tentativa independentista da Catalunha e o regresso do nacionalismo em vários países são exemplos da perda de valores e o resultado do egoísmo. Se a Catalunha fosse uma região pobre ou se o Reino Unido fosse um beneficiário líquido do orçamento da UE, não procurariam a “independência”. Impressiona a irresponsabilidade, a impreparação e a mentira dos líderes políticos do Reino Unido e da Catalunha. Avançam com referendos e depois logo se vê quais são as consequências?
Não sabiam que vivemos num mundo global onde as economias são interdependentes?
Mas este egoísmo, ou nacionalismo, prejudica a economia e mina a paz.

Na UE temos a norte o crescimento da extrema-direita e a sul o crescimento da extrema-esquerda com propostas muito semelhantes. Catarina Martins e Jerónimo de Sousa defendem, por exemplo, que Portugal abandone o euro. Marine Le Pen tem a mesma proposta para a França. Mas como é que Portugal podia abandonar a moeda única? Quanto é que custaria? Que impacto teria em termos económicos?
Não tenho dúvidas que pagaríamos caro essa decisão e que os mais pobres seriam os mais afetados. Não é aceitável haver tanto amadorismo.

Recordo o que disse Papa Francisco: “Os cristãos são chamados a favorecer o diálogo político, sobretudo onde ele está ameaçado e onde parece prevalecer o conflito. Os cristãos são chamados a voltar a dar dignidade à política, entendida como máximo serviço ao bem comum e não como uma ocupação de poder. Isto exige também uma formação adequada, porque a política não é ‘a arte da improvisação’, mas uma expressão nobre de abnegação e dedicação pessoal em benefício da comunidade. Para ser líder são necessários estudo, preparação e experiência.”
A “América First” de Trump ou a “La France En Premier” de Le Pen ou os orgulhosamente Finlandeses, os “orgulhosamente sós”, trazem ódio e divisão.

Já o tenho dito repetidamente que o “orgulhosamente sós” é um problema, não é uma solução!
Enfatizo as palavras do Papa Francisco: “Não foi por acaso que os Pais fundadores do projeto europeu escolheram precisamente esta palavra para identificar o novo sujeito político que se ia constituindo. A comunidade é o maior antídoto contra os individualismos que caracterizam o nosso tempo, aquela tendência hoje generalizada no Ocidente a conceber-se e a viver em solidão. Compreende-se mal o conceito de liberdade, interpretando-o quase como se fosse o dever de estar sós, desvinculados de qualquer laço, e por conseguinte construiu-se uma sociedade desenraizada e desprovida de sentido de pertença e de herança. E a meu ver isto é grave. ”
Haverá algum período da história onde a UE e o mundo não tenham estado em crise?

A UE é vítima do seu enorme sucesso. O objetivo da paz foi de tal forma conseguido que o damos - erradamente- como absolutamente adquirido. Não valorizamos a paz, a liberdade, o estado de direito, o multiculturalismo, a defesa intransigente da dignidade humana. Não temos consciência de que na UE temos a maior economia do planeta, a maior percentagem de despesa em termos de direitos sociais, a maior contribuição para ajuda humanitária e desenvolvimento de países terceiros, mas que só somos 500 milhões, ou seja, menos de 7% da população do planeta.

Sou Português, minhoto e europeu. Não há nenhuma incompatibilidade! Pelo contrário! Somos mais ricos na diversidade. A UE ganha com as diferenças. As diferentes perspetivas enriquecem o debate e trazem melhores soluções. Enganam-se os que consideram que mais partilha significa menos soberania. Numa economia desmaterializada, num mundo global, mais partilha pode e deve significar uma soberania reforçada! Mais integração e mais união significa que podemos harmonizar as diferenças, e não implica tornar tudo igual.

Mais uma vez cito o Papa Francisco: “Responsabilidade comum dos líderes é favorecer uma Europa que seja uma comunidade inclusiva, livre de um mal-entendido de fundo: inclusão não é sinónimo de nivelamento indiferenciado. Ao contrário, somos autenticamente inclusivos quando sabemos valorizar as diferenças, assumindo-as como património comum e enriquecedor.“
Acabo com os “tijolos” que o Papa Francisco define como sendo necessários para a construção de um mundo melhor: diálogo, inclusão, solidariedade, desenvolvimento e paz.

vote este artigo

 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos desta categoria - Ideias

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia