Universidade do Minho tem o curso mais procurado do país  

Braga, Vale do Ave

autor

Redacção

contactar num. de artigos 33997

O curso de Criminologia e Justiça Criminal da Universidade do Minho foi o mais difícil de entrar neste ano letivo em todo o ensino superior público nacional. A licenciatura teve neste seu ano de estreia 254 candidatos em primeira opção para as 20 vagas do concurso nacional de acesso, o que significa que apenas 7.9% entraram. Dito de outra forma, daria para abrir quase 13 turmas. Os dados constam do “Índice de satisfação da procura” da Direção-Geral do Ensino Superior (DGES), que contrapõe o número de vagas com o número dos alunos que colocaram essa formação como primeira opção.
 
Para o diretor da licenciatura em Criminologia e Justiça Criminal, a grande procura deve-se à crescente importância social da área, à expectativa gerada nos últimos anos pela criação do curso e à sua qualidade científica, envolvendo a Escola de Direito, a Escola de Psicologia e o Instituto de Ciências Sociais da UMinho. “A sociedade precisa de pessoas especializadas no conhecimento da realidade psicológica, social e judicial do crime, pois são uma mais-valia na avaliação das questões do terrorismo, na investigação forense, nos processos de interrogatório aos arguidos, no estudo da vitimologia e no apoio à reinserção social”, justifica Fernando Conde Monteiro.
 
Este campo de estudo “é recente em Portugal, mas está muito desenvolvido em países como Reino Unido e EUA”, realça. O curso - que tem três anos de duração e decorre no campus de Gualtar, em Braga - teve 254 candidatos em primeira opção, mas foram quase 900 a elencá-lo nas seis escolhas possíveis no boletim de acesso ao superior. O curso conta atualmente com 25 alunos, sendo que 20 entraram pelo concurso normal e cinco por outros regimes de ingresso. O “Índice de satisfação da procura” da DGES confirma também que a UMinho foi a que teve a nível nacional mais candidatos em termos proporcionais nos cursos de Design e Marketing de Moda, Línguas e Culturas Orientais, Línguas Aplicadas, Medicina e Engenharia Têxtil, entre outros.
 
55 licenciaturas e mestrados integrados
 
A UMinho oferece no próximo ano letivo 55 licenciaturas e mestrados integrados, num total superior a 2700 vagas. Somam-se ainda 529 vagas para alunos internacionais. As áreas com mais lugares são Direito, Medicina, Enfermagem e as engenharias Informática, Mecânica, Gestão de Sistemas de Informação e Eletrónica Industrial e Computadores. Há sete cursos em horário pós-laboral: Contabilidade, Marketing, Música, Negócios Internacionais, Direito, Educação e Engenharia e Gestão e Sistemas de Informação, englobando mais de 200 vagas. Os três últimos estão também disponíveis em regime normal.
 
A UMinho orienta a sua oferta tendo em consideração a procura, a empregabilidade e as áreas de formação. A Reitoria considera a aposta diversificada, flexível e adequada aos diferentes perfis de formação, etários e profissionais dos alunos que querem prosseguir estudos, especializar-se ou redefinir competências. As formações abrangem áreas do saber consolidadas e inovadoras, com “forte aposta na qualidade do ensino e da investigação científica, em estreita articulação com as solicitações sociais e do mercado de trabalho e um elevado nível de cooperação internacional”.

vote este artigo


 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia